José Eduardo Agualusa foi  galardoado recentemente com o Prémio Nacional de Cultura e Artes 2019, na categoria de Literatura, pelo seu contributo à expansão da Literatura Angolana no exterior. 

“Milagrário Pessoal” é um romance de aventura, que reúne 180 páginas de viagens ao universo da juventude e da velhice, de leitura divertida e aconxegante. Conta a história de um professor angolano residente em portugal e Iara, uma jovem linguista portuguesa. Iara é uma neologista, recolhe palavras novas em textos num jornal. Iara depara-se com mais de 100 palavras novas (neologismos) e, na confusão, vai pedir ajuda ao professor angolano, filólogo. Os dois viajam para conversar com Mara Bruto, jornalista do jornal “O Público” , depois se encontrar com Alexandre Anhanguera, poeta, e Plácido Domingos, seu amigo, a fim de descobrirem a origem daquelas palavras. Regressam. Todas aquelas palavras surgiram de um manuscrito antigo de origem angolana que o professor usa para chamar atenção de Iara. Mais tarde, Iara descobre que o professor planejara tudo, desde o princípio ao fim, para se salvar da depressão da velhice. 

É impossível não se divertir nem rir, muito menos não aproveitar das várias informações que se encontram na obra como a origem da língua, o processo de evolução do português e a rica capacidade de criatividade linguística dos angolanos, bem como aproveitar-se de algumas leituras do professor, assim como saber como foram então produzidos alguns dos sucessos de Camilo Castelo Branco, através das suas leituras…, o professor, também narrador autodiegético, é um ávido leitor. Esta obra sugere outras leituras, viagem à história e um passeio aos imprevistos e milagres do dia-a-dia. Boa viagem, queridos leitores.