Todos os dias, somos obrigados a ler textos escritos, seja nas redes sociais, em publicações simples ou em livros digitais, seja ainda em livros impressos. A quantidade de informações escrita a que temos acesso, dia após dia, é cada vez maior, o que pode ser prejudicial caso não tenhamos a capacidade de escolher o tipo de texto e seu conteúdo. De facto, a leitura pode desencadear reacções específicas no leitor: ela pode ser saudável quando oxigena o intelecto do leitor, e tóxica, quando o lesa intelectualmente. Como é que tal acontece?

O conteúdo que propomos abordar consubstancia-se no “poder da leitura”. De acordo com a Porto Editora, no seu dicionário integral da língua portuguesa, “poder” (do latim potere), como substantivo masculino e não como verbo, significa possibilidade; vigor; autoridade; domínio; influência (2010, p. 1181). Já leitura (lectum de eleger), no mesmo dicionário, significa acto ou efeito de ler; o que se lê; arte de ler (p. 925).

Embora o texto em si não possua poder, a menos que seja lido, a verdade é que cada texto desencadeia um efeito psicológico no leitor. Tal como aflorámos no princípio, a leitura produz certa reacção em função do tipo de texto, por isso o ente cognitivo ao ler sofre influência do texto lido. Nisto consiste o poder da leitura, uma vez que ela molda e muda a pessoa.

Julgamos que a leitura é uma das actividades mais prazerosa e poderosa que temos ao nosso dispor. Ao ler, o sujeito tem o privilégio de enriquecer o seu intelecto e, ao mesmo tempo, de expandir o seu pensamento e sua imaginação. Isto quer dizer, a leitura contribui para a aquisição de novos conhecimentos e para a reelaboração dos já existentes. Por essa razão, deve haver cuidado na selecção dos textos a ler.

Em função disso, verificámos dois tipos específicos de leitura: a leitura destrutiva e a leitura construtiva. A leitura destrutiva tende a ser mais ruinosa do que benéfica. Esta, em vez de progressiva, é intelectualmente regressiva. Este tipo de leitura, como resultado do deficit de educação literária desde a tenra idade, pode levar o indivíduo a caminhar em solos perigosos, na medida em que vai ler tudo o que vê e ouve sem antes submeter esses textos ao crivo da inteligência. Quando tal acontece os resultados podem ser danosos. Portanto, nem todo o texto ou livro é para ser lido, se analisado a partir desse ponto de vista.

No que tange, ainda, à leitura destrutiva, encontrámos a classe dos textos nocivos, dos quais podemos destacar: textos péssimos, escritos sem a observância de requisitos adequados: correcção gramatical, estrutura lógica, coerência e criatividade. A exemplo disso, são os vários tipos publicados no Facebook. A par destes, existem os textos venenosos cujos conteúdos propendem a influenciar negativamente o leitor. Por exemplo, escritos sobre pornografia explícita, sobre cabala, sobre pseudociência e outros desta estirpe. Deveras, nenhum destes, quer em suporte digital, quer impresso, recomendes ao teu filho muito menos ao teu amigo, porque pode destruir a cognição do sujeito leitor. Isso pode fazer com que a pessoa pense, fale e escreva defeituosamente.

Às vezes, os textos nocivos extravasam as redes sociais e podem ser encontrados também em livros, anúncios, etc. São textos que, quando lidos com frequência e sem alternativa de leitura, lesam a cognição e podem abafar a gramática psicológica do leitor.

Já a leitura de escritos venenosos (diferente dos nocivos) acontece quando o leitor tem acesso a textos que, embora estejam redigidos com base nas regras gramaticais e nas de redacção, sejam de conteúdos que possam engendrar comportamentos avessos ao bem-estar do individuo e da sociedade quando mal interpretados. Os livros venenosos são os que, se forem lidos sem escrúpulos, chegam a envenenar o espírito. A este respeito, fizemos algumas buscas na net e a sugestão foi dos seguintes livros: Minha Luta de Adolfo Hitler, Protocolos dos sábios de Sião de autor anónimo, O Príncipe de N. Maquiavel, o Homem delinquente de Cesare Lombroso (https:literaturaecontos.wordpress.com).

A bíblia, por exemplo, é uma excelente colecção de livros, mas se bem lida e interpretada. Ora, se a sua leitura for defeituosa, provoca, não raras vezes, danos graves à sociedade. Quantas pessoas têm sido enganadas a ponto de gastarem os seus parcos recursos, oferecendo-os ao líder religioso na promessa de alcançar milagres? A título de exemplo, a própria escravidão africana foi um sucesso graças a má interpretação das escrituras. Como na altura os africanos não sabiam ler no idioma dos colonizadores, estes aproveitaram-se da ignorância daqueles para extorquir, zurzir, humilhar, aniquilar, etc.

Em termos gerais, a leitura é destrutiva quando o leitor tem preparação literária débil, desconhecendo os princípios da interpretação. Também pode acontecer quando este tem acesso a conteúdos enviusados.

Quanto à leitura construtiva, podemos dizer que esta assim o é quando molda o indivíduo, muda o seu modo de pensar, fazer, ser e conviver de forma qualitativa. Este é o efeito mais agradável que se pode esperar duma leitura à medida que contribui para a transformação positiva do leitor, de modo a poder ter a capacidade de se transformar a si e transformar o mundo ao seu redor.

Este tipo de leitura acontece quando temos o privilégio de aceder a textos saudáveis, recheados de criatividade, qualidade de redacção, correcção gramatical e que aborda temas pertinentes e positivamente inspiradores, e isso passa pela selecção do que deve ser lido. Quando acontece, o indivíduo é capaz de se construir e de se reconstruir. Igualmente, o leitor tem a possibilidade de transformar o mundo à sua volta e deixá-lo melhor do que o encontrou.

Este tipo de leitura deve ser incentivado desde a tenra idade. Em casa, os pais devem saber seleccionar o tipo de textos ou livros que devem propor aos seus filhos, assim como os professores devem desempenhar o seu devido papel para o efeito.

Um dos pontos importantes da leitura é expandir amente do leitor e isso dá-lhe azo de se construir inteligentemente. Ler éaprender, é conhecer e é descobrir-se e descobrir o mundo. Existem histórias devários homens que superaram a sua condição de vida, apenas lendo bons livros.Tornaram-se grandes profissionais, construíram carreiras de sucesso e marcarampositivamente a história.

Bibliografia

Texto Editores (2016). Dicionário Integral da Língua Portuguesa. Luanda: Autor