O escritor do «Havemos de voltar», Agostinho Neto (1922-1979), dispensa, certamente, apresentações, pois é tido como o poeta maior da pátria angolana (embora, hodiernamente, se levantem escaldantes discussões a respeito deste atributo, nas lides políticas e culturais, por muito boa gente dita intelectual). Porém, não sendo nosso desiderato tocar em águas quase calmas sobre a atribuição do título de Poeta Maior ao saudoso escritor Agostinho Neto, resta-nos explicar, para uma leitura de bom senso, que, com o presente ensaio, pretendemos mostrar outras verdades sobre o aclamado poema “Havemos de voltar”, um dos mais conhecidos dentro da poética netiana. Ora, para tal intento, avisamos que o poema vai ser visto por nós numa visão actuante e actual da sociedade angolana.

Historicamente, o poema «Havemos de voltar» foi escrito em Outubro do ano 1960, século XX, na cadeia de Aljube, em Lisboa. Em nosso entender, o referido poema carrega nas suas entranhas verdades eternas sobre Angola, porquanto, se visto numa perspectiva dos dias de hoje da nação angolana, é um poema com pendores herméticos.

Na baila de Macedo (2010, p. 33), a poesia ou poética angolana ramifica-se em sentimentalistas e simbolistas. Se olharmos, clinicamente, ao Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa (2001), o simbolismo é:

a (I) expressão, figuração ou interpretação por meio de símbolos; simbólica, (II) significação simbólica, (III) sistema de sinais escritos cuja articulação obedece a regras, e que traduz visualmente a formação de um raciocínio e (IV) movimento literário e artístico do fim do século XIX que surgiu na França como reação contra o Realismo e o Parnasianismo e que, por sua visão subjetiva, simbólica e espiritual do mundo, situava o valor da obra de arte não na tradução fiel da realidade, mas sim na combinação subjetiva de sentimentos e de pensamentos, de figuras e de formas regidas por leis próprias.

Em condições normais, o bom artista, poeta/escritor, nunca morre, é um eterno peregrino, e a sua arte é actuante e actualizante. Não fosse assim, o poeta da “Sagrada Esperança” e outros, universalmente conhecidos, cujos corpos já foram comidos pela terra, há anos, não seriam conhecidos e/ou lidos pela gente nascida no século XXI.

A boa poesia sempre perdura no tempo, actualizando-se de geração a geração. Destarte, os problemas da actual Angola – a venda das terras para estrangeiros, a privatização da coisa pública, a constante desarborização, a dependência económica e de produtos básicos que já poderiam ser produzidos no nosso solo pátrio – fazem com que o poema «Havemos de voltar» seja uma proposta de melhoria das políticas de quem governa, pinta o sofrimento do povo angolano e canta a completa independência do país. Atentemos:

                       “Às casas, as nossas lavras

                       Às praias, aos nossos campos

                      Havemos de voltar”

Com a estrofe supracitada, podemos dizer que, actualmente, o sujeito poético canta o desejo de muitos angolanos: de ter uma casa própria, ter uma terra e/ou trabalho para se alimentar, ter quadras desportivas, zonas de lazer e cultura e, também, manifesta a dor daqueles que vêem uma praia da Ilha do Cabo, do Mussulo e outras por Angola adentro a serem fechadas por hotéis, restaurantes e casas, como se o executivo estivesse a privatizar a costa de Angola para alguns indivíduos nacionais e estrangeiros.

O sujeito poético, ainda actualizado, canta: Às nossas minas de diamantes/ouro, cobre, de petróleo/ às florestas/ À frescura da mulemba/ às nossas tradições/ aos ritmos e às fogueiras/ à marimba e ao quissange/ ao nosso carnaval/ havemos de voltar.

Com os versos supramencionados, o eu-poético, na Angola de hoje, cansado de ver a injusta distribuição das receitas que provém da venda dos recursos naturais do país, tenciona que haja melhor distribuição do erário, manifesta o desiderato de ver a juventude angolana (que demais conhece a cultura de Portugal, Brasil, Itália, Inglaterra, China, E.U.A e outros países do mundo fora) a conhecer a cultura propriamente angolana, de ouvir o semba, o kizomba, sentir a melodia duma marimba e/ou quissange e apreciar o carnaval à moda angolana.

Analisado hermeneuticamente, enfim, na nova Angola, «Havemos de voltar» é o canto de todos que querem o bem de Angola, dos que lamentam a perda de valores culturais no seio dos angolanos, dos que choram a privatização da coisa pública, a escassez de espaços de lazer e cultura, dos que não têm lavra/trabalho para se alimentar e dos jovens que, sob o lema «ACABA DE ME MATAR», se manifestaram contra os males de quem gere a nação.

Para tanto, o sujeito poético, pensando nos tempos em que a terra era do povo (e não do Estado, como actualmente diz a constituição de Angola), uníssono, canta: À bela pátria angolana/ nossa mãe/ À Angola libertada/ Angola independente/ havemos de voltar.

BIBLIOGRAFIA

Instituto Antônio Houaiss (2001) Dicionário Electrônico Houaiss da Língua Portuguesa. (versão 2.0b). Rio de Janeiro: Autor

Macedo, J. (2010) Como Ler e Escrever Literatura. Luanda: INIC

Neto, A. (2014). Sagrada Esperança. Lisboa: Mercado de Letras Editores